Monitoramento da Helicoverpa – Avaliação da potencial migração por massas de ar

De autoria de Maria Conceição Pessoa, Luiz Alexandre Sá, Rafael Mingoti, Wilson Holler, Jeanne Marinho-Prado e Claudio Spadotto, foi publicado um Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa (nº 66 – Avaliação da potencial migração de Helicoverpa armigera por massas de ar para áreas produtoras de cultivos hospedeiros do Estado de São Paulo) que acompanhou a evolução das áreas paulistas com grande produção e de suas áreas plantadas com os cultivos hospedeiros de soja, milho, algodão, tomate e feijão considerando os anos de 2008, 2012 e 2014, fazendo uso de dados do IBGE.

Desse modo, foi possível identificar o deslocamento das áreas desses cultivos hospedeiros preferenciais e secundários de H. armigera, ocorrida no período de seis anos. O trabalho também analisou dados dos municípios paulistas para priorizar aqueles com maior potencial de ataque em áreas de Cerrado paulista, considerando dados de 2014 das áreas plantadas de soja, milho, algodão, tomate, feijão, eucalipto, pinus, laranja e café. Igualmente considerou informações de áreas plantadas em diferentes Estados brasileiros em 2014 com os mesmos cultivos anuais (algodão, soja, milho, feijão e tomate). Atentou para a influência das principais massas de ar brasileiras, de inverno e de verão, como facilitadoras nas dispersões do inseto, de áreas atacadas de estados do entorno de São Paulo para o seu interior, onde considerou a localização do bioma Cerrado e a localização dos cultivos perenes (laranja e café) e florestais (eucalipto e pinus) como prováveis barreiras físicas ao inseto.

Como resultados, priorizou ações regulares de monitoramentos para 52 municípios paulistas, que estão localizados em dez mesorregiões do Estado de São Paulo, a saber: Araraquara, Assis, Bauru, Campinas, Itapetininga, Marília, Piracicaba, Presidente Prudente, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto.

A provável localização das áreas municipais com maior potencial às infestações e reinfestações de H. armigera, estas últimas favorecidas por massas de ar, é fundamental para garantir ações de vigilância, monitoramento e controle do inseto. São igualmente importantes para a definição de níveis de ação e de controle, indicadores fundamentais para que o manejo integrado desse inseto-praga faça uso correto de métodos de controles químico e biológico.

H. armigera é um inseto exótico e polífago, detectado no Brasil em 2013, que causou sérios danos em cultivos de soja, milho e algodão, nas regiões Nordeste e Centro-Oeste com a presença do bioma Cerrado. Após um ano de sua detecção, foi identificado em várias regiões do país. Por essa razão, a Embrapa concentrou esforços para conhecer melhor o inseto, as áreas atacadas e para propor alternativas imediatas para o controle, as quais fundamentaram, posteriormente, a organização de uma programação de pesquisa específica e direcionada para estudos mais específicos desse inseto e para ações de controle no âmbito de propostas de manejo integrado. Igualmente operacionalizaram a “Caravana Embrapa”, que levou informações sobre o inseto para os produtores de todo o país, de modo a favorecer a sua correta identificação, entre outras práticas e estratégias de controle.

Confira a Publicação completa clicando no Botão abaixo.

 

BAIXAR PUBLICAÇÃO COMPLETA EM PDF

Fonte: Embrapa

Produtos Recomendados

A Inquima desenvolve produtos que melhoram a qualidade e eficácia da aplicação de inúmeras maneiras, reduzindo custos e diminuindo os impactos ambientais. Conheça alguns Adjuvantes de calda Sintéticos, Redutores de deriva, e outros produtos recomendados:

Dúvidas ou Apoio na aplicação?

Lembre-se que, havendo necessidade de APOIO EM CAMPO para solucionar problemas na aplicação, contate um Representante INQUIMA na sua região. Nossos representantes são Agrônomos, Técnicos e Especialistas em Tecnologia de Aplicação, estamos sempre prontos para lhe atender. Preencha os campos abaixo e clique em “ENVIAR” em breve o representante mais próximo de sua região entrará em contato.

Nome*:
 
E-mail*:
 
Telefone*:
 
Cidade e Estado*:
 
Assunto*:
 
Mensagem*:
 

 

contato-inquima3

netcit

Deixe uma resposta